Dresden

Pausa de 03/09/2014 a 04/09/2014


Capital da Saxônia, Dresden ficou conhecida como “Florença do Norte”.

Atingiu seu auge cultural no século 18, época em que foram construídos os seus edifícios mais marcantes: Zwinger e a igreja Frauenkirche.
Mas em 1945, quase terminando o período de guerra, tropas britânicas e americanas soltaram toneladas de explosivos causando um incêndio que levou a maior parte dessa linda cidade barroca abaixo. Ao caminhar pelo seu centro, podemos ver os topos dos prédios antigos sobreviventes cobertos por uma cor preta, assim como várias estátuas e torres. Isso são danos causados pelo fogo, o que é irreversível, não há como reparar. Mesmo assim quase toda a cidade conseguiu ser reconstruída e pudemos admirar a sua beleza que margeia o rio Elba.

 Dresden é conhecida por seu "barroco queimado", manchas negras  e irreversíveis causadas pelo fogo.

Dresden é conhecida por seu "barroco queimado", manchas negras  e irreversíveis causadas pelo fogo.

 Em algumas construções esse barroco queimado fica mais evidente, como essa torre à esquerda.

Em algumas construções esse barroco queimado fica mais evidente, como essa torre à esquerda.

 Marcas de fogo em estátua no centro da Altstadt.

Marcas de fogo em estátua no centro da Altstadt.


O que fizemos lá:

Chegamos em Dresden no começo da tarde, largamos as malas no hotel e já saímos correndo pra conhecê-la. Só tínhamos aquela tarde e a noite pra explorar a cidade, então optamos por passeios a céu aberto do que ficar horas em museus.

 Viela da Altstadt de Dresden repleta de restaurantes turísticos.

Viela da Altstadt de Dresden repleta de restaurantes turísticos.

Sophienkeller

Almoçamos nesse restaurante onde as garçonetes se vestem com roupas típicas dos anos 1730. Em todas as cidades procuramos beber a cerveja local, então pedimos a de Dresden que é a cerveja escura Krusovice.


Zwinger

Foi construído primeiramente para ser uma praça destinada às festas, torneios e outros entretenimentos para a realeza. Em seguida foram construídos os palácios e os pavilhões. Tudo foi destruído no final da II Guerra e reconstruído entre os anos 90 e 2000 graças a doações e a ajuda de patrocinadores.

 Pátio interno do Zwinger, que foi totalmente reconstruído após a Segunda Guerra.

Pátio interno do Zwinger, que foi totalmente reconstruído após a Segunda Guerra.

Preferimos somente andar pela área externa, admirando as fontes de água e as estátuas ao redor, muitas delas foram escondidas durante a guerra evitando assim a sua destruição. 


Samper Ópera

É uma das salas de concertos mais importantes da Europa, construída em 1841 pelo arquiteto Gottfried Samper. Foi destruída e reconstruída 2 vezes: num grande incêndio em 1869 e no bombardeio dos aliados em 1945.


Frauenkirche

Caminhando pela ponte do rio Elba, indo em direção às ruas estreitas do centro, nos deparamos com o marco da história da cidade, a Frauenkirche. Igreja que virou literalmente cinzas com o bombardeio em 1945, mas reconstruída em 2005 praticamente idêntica ao edifício original. Pode se subir até o domo pra ter uma vista panorâmica da cidade.

 Pedaço de parede da Frauenkirche, deixado no local original como memorial da igreja que foi totalmente destruída com os bombardeios dos Aliados.

Pedaço de parede da Frauenkirche, deixado no local original como memorial da igreja que foi totalmente destruída com os bombardeios dos Aliados.

 Frauenkirche hoje, completamente reformada.

Frauenkirche hoje, completamente reformada.

Passeio pelo Aussere Neustadt

Saindo do centro histórico, decidimos fazer um passeio a pé indicado pelo guia no bairro colorido e alternativo da Aussere Neustadt.

Começamos a caminhada, que dura em torno de 2h, na Albertplatz, onde há duas fontes que representam as águas turbulentas e calmas. Depois passamos pelo Muro do Grafite e chegamos na Kunsthofpassage, um espaço onde há um conjunto de cinco edifícios de design interligados. O que mais nos impressionou foi a parede com uma calha enorme, bem bonita e diferente. Tivemos muita vontade de comprar um apartamento e morar por lá mesmo.

 Um dos edifícios de design do Kunsthofpassage, uma pequena vila bem planejada dentro da Neustadt de Dresden.

Um dos edifícios de design do Kunsthofpassage, uma pequena vila bem planejada dentro da Neustadt de Dresden.

Tomamos um sorvete muito bom na Neumanns Tiki e seguimos até a Martin-Luther-Strasse pra admirar sua arte de rua. Fomos também até a Ukradena Galerie, a menor galeria de Dresden, onde a cada semana um artista diferente expõe seu trabalho e onde, do lado oposto dessa galeria, há a Lousa, um paredão que você pode colaborar (em giz) com sua própria arte evitando assim os grafites ilegais. Perto dessa rua fica o pub mais antigo da cidade, o Hebeda’s. Ao entrar nele dá pra viajar no tempo até os anos de 1960 da RDA.

 Pub Hebeda's, o mais antigo da cidade.

Pub Hebeda's, o mais antigo da cidade.

 A Lousa, criada para incentivar a arte e evitar os grafites ilegais.

A Lousa, criada para incentivar a arte e evitar os grafites ilegais.

 Arredores da Neustadt de Dresden

Arredores da Neustadt de Dresden

Kate's Garage

Depois de voltar para o hotel pra dar uma descansada, saímos pra jantar e depois curtir a noite na Kate’s Garage. Uma balada pequena de rock, com decoração que lembra uma oficina de carros, com entrada por volta de 3 ou 5 euros e de longe o lugar que mais curtimos na viagem pra sair a noite.
A música era muito boa e tinha uma mulher bem alta, pálida, com um vestido longo preto e um carão que dava um pouco de medo. Uma figura que trabalha lá pra entreter mais a galera.
Justo no lugar  que mais curtimos, não pudemos ficar muito tempo porque tínhamos que acordar bem cedo no dia seguinte, antes mesmo do café da manhã, pra pegar o trem pro próximo destino.
O bom de Dresden é que o bonde funciona 24h e a partir da meia noite, ele passa nos pontos de meia em meia hora.


Hospedagem

Em Dresden, ficamos num hotel bem bonito de estilo romântico.
Não tem elevadores, mas tem uma vista legal e o bonde passa na frente.

 Vista da janela do hotel.

Vista da janela do hotel.

Hotel Sax Imperial
Endereço: Stechgrundstr. 2, - 01324 - Dresden

 

Veja também