Cracóvia

Pausa de 31/08/2014 a 02/09/2014


Mais de mil anos de história e beleza

A viagem para a Cracóvia foi pensada enquanto ainda planejávamos as nossas férias na Alemanha, pois queríamos ir visitar algum campo de concentração e decidimos ir justamente no mais famoso e o qual tanto ouvimos falar em documentários, filmes e livros: Auschwitz.


 Rua Florianska, sempre bem movimentada

Rua Florianska, sempre bem movimentada


Declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco e terra do já falecido Karol Wojtyla (papa João Paulo II), Cracóvia é uma cidade linda que infelizmente não conseguimos ficar muito tempo, por isso não rolou de ir nas famosas minas de sal de Wieliczka (a 15km da cidade) e nem no belíssimo Castelo Wawel, mas deu pra visitar alguns pontos turísticos bem interessantes que citaremos abaixo.

Vimos o nosso roteiro e percebemos que a melhor forma pra encaixar esse passeio até à Polônia seria quando estivéssemos em Berlim. Então tiramos dois dias para sair de Berlim, ir até a Cracóvia, de lá fazer o passeio de 1 dia em Auschwitz que começava na manhã seguinte, voltar pra Cracóvia no fim daquele dia pra na tarde do dia seguinte pegar o vôo de volta pra Berlim. Ufa! deu super certo!


Stare Miasto: centro histórico e Praça do Mercado

Chegamos na cidade a noite e fomos logo procurar um restaurante pra jantarmos. Demos de cara com essa praça linda, toda iluminada, quase silenciosa porque já era tarde e com uma carruagem que passeava de um lado pro outro, levando turistas para dar uma volta ali.

 Praça Stare Miasto, de noite.

Praça Stare Miasto, de noite.


 

Durante o dia esse lugar é vibrante, assim como todo o centro que dá pra se conhecer a pé. Há muitos restaurantes, cafés, bares, pubs, todo tipo de loja, igrejas, hostels e hotéis, etc.

 

  Praça Stare Miast  o, de dia.

Praça Stare Miasto, de dia.


Basílica de Santa Maria

Sua fachada de tijolos e torres assimétricas não são tão impressionantes, mas dizem que o seu interior é pura arte. Infelizmente, não tivemos acesso a essa informação antes e por isso não chegamos a entrar nela :( . Preferimos aproveitar o pouco tempo pra passear pelas ruas, mas deixamos como dica a visita ao interior dessa basílica.


Kazimierz

Devido a segregação dos judeus na Cracóvia ocorrida durante séculos, eles acabaram formando o bairro de Kazimierz e construindo muitas sinagogas, lojas de comércio, casas e restaurantes.

Um pouco diferente do centro, esse bairro além de bonito guarda muita história, principalmente sobre o que ocorreu durante a II Guerra Mundial onde ele foi quase destruído totalmente. Para saber mais, vale uma visita ao Museu Judaico na antiga sinagoga, datada do século XV.


 Cemitério judaico em Kazimierz

Cemitério judaico em Kazimierz


Como haviam muitos judeus na Cracóvia, os nazistas primeiramente decidiram separá-los do restante da população da cidade, expulsando-os de Kazimierz para o Gueto Judaico no distrito de Podgórze.

Um lugar que consistia de 30 ruas, para onde foram deportadas por volta de 15.000 pessoas dentro de uma área que abrigava adequadamente somente 3.000. O resultado foi várias famílias morando na mesma casa e muitos morando nas ruas em condições miseráveis.


 Distrito de Podgórze, região onde era o Gueto Judaico criado para abrigar a população de judeus marginalizados pelos nazistas.

Distrito de Podgórze, região onde era o Gueto Judaico criado para abrigar a população de judeus marginalizados pelos nazistas.

  Distri  to de   Podgórze.

Distrito de Podgórze.


Afim de demarcar o gueto, foi construído um muro em torno dele com apenas 4 acessos de entrada e saída que eram vigiados o tempo todo. Hoje em dia ainda há algumas ruínas desse muro.

Ao visitar esse bairro, nota-se claramente como ele se destoa do restante da cidade, por ser mais humilde, com construções mais simples e um pouco obscuras.


 Um dos poucos trechos do muro do antigo Gueto Judaico que ainda permanece de pé.

Um dos poucos trechos do muro do antigo Gueto Judaico que ainda permanece de pé.

 Prédio situado na região do antigo Gueto Judaico.

Prédio situado na região do antigo Gueto Judaico.


Fábrica de Oscar Schindler

Bem próximo ao Gueto se encontra a fábrica de Oscar Schindler, industrial alemão que protegeu centenas de judeus durante o Holocausto. Como o nosso tempo era curto, só vimos a fábrica pelo lado de fora e algumas fotos que ficam logo na recepção, e não conseguimos ver a exposição permanente que conta através de fotos, documentos e móveis originais, como era a vida antes e durante a ocupação nazista ocorrida entre 1939 e 1945. Pra quem curte o assunto, vale a pena a visita, ainda mais porque foi ali mesmo que Steven Spielberg filmou o tão famoso “A Lista de Schindler”


Jazz Club uMuniaka - Bar de jazz

Ao andarmos despretensiosamente a noite pela rua Florianska, no centro de Cracóvia, vimos um cartaz informando sobre um show de jazz que ia acontecer no subsolo de um estabelecimento. Curiosos, descemos as escadas e nos deparamos com um barzinho super charmoso, pequeno, de poucas mesas onde minutos depois começou um show de jazz clássico muito bom que nos prendeu ali por bastante tempo.


Dicas da Dagmara

Nossa amiga Dagmara, anfitriã polonesa do AirBnb que ficamos hospedados em Munique, nos deu as seguintes dicas:

Zapiekanki: uma comida de rua tradicional polonesa que é uma fatia comprida de uma baguete cortada no meio. Por cima pode ter vários tipos de recheio como queijo, tomate, azeitonas, cogumelos, presunto, etc. Ideal pra aquela fome pós balada.

Nowa Prowincja: café que fica em Stare Miasto, centro da cidade, na rua Bracka 3-5. O forte mesmo desse café é o chocolate quente que é encorpado e delicioso. Segundo a Dagmara, ele é "o melhor chocolate quente do mundo".


Veja também